Febre amarela: formas de prevenção

Mitos e verdades sobre o DIU
19 de Janeiro de 2018
Incontinência urinaria, exercícios simples ajudam a segurar o xixi.
19 de Janeiro de 2018

Ultimamente muitas pacientes minhas estão preocupadas com a questão da Febre Amarela. Em São Paulo, a secretaria de saúde entrou em estado de alerta devido aos casos de Febre Amarela. Só na capital foram 8 casos da doença e essa situação gera muitas dúvidas.

Os primeiros sintomas da Febre Amarela confundem, porque podem parecer com sintomas de outras doenças. Febre com duração de sete dias associada a pelo menos outros dois sintomas, como dores no corpo, mal-estar, calafrios e tontura.

Pele, olhos amarelados e sangramento de conjuntivas são sinais de alerta! Por isso, procure uma emergência médica o mais rápido possível. Na cidade de São Paulo a vacina já está sendo aplicada nas Unidades Básicas de Saúde e clínicas particulares. Nas demais cidades do estado, a campanha da vacinação fracionada, está prevista para começar no dia 29 de janeiro. A dose fracionada é tão efetiva quanto a dose única e permite a imunização por oito anos.

Quem pode tomar a vacina?
Crianças a partir de nove meses e adultos até 59 anos.

Quem não pode tomar a vacina?
Crianças menores de nove meses, grávidas, pessoas com câncer, indivíduos que passaram por transplante e mulheres amamentando crianças com menos de seis meses, pessoas em tratamento de imunossupressão. Pessoas com deficiência no sistema imunológico devem consultar um médico antes.

Observação: gestantes residentes em locais de epidemia da doença, a vacinação pode ser indicada se um infectologista juntamente com o obstetra acharem que o risco de contágio é maior que o risco de efeitos colaterais na gravidez. Para as pessoas que não podem tomar a vacina é importante tomar alguns cuidados para evitar a picada do mosquito que transmite o vírus da Febre Amarela. Para isso é preciso seguir os seguintes cuidados:

  • Usar roupas claras, cores vibrantes atraem o mosquito;
  • Usar blusa de manga comprida e calças cobrindo as pernas e os pés;
  • Evitar o uso de perfumes, outro fator que pode atrair os insetos;
  • Usar repelente todos os dias (exceto bebês com menos de dois meses);
  • Dormir com ventilador ligado (evita a picada do mosquito).

Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta.

Sua saúde e a saúde de sua família são muito importantes, cuide com muito carinho. Por isso, em caso de dúvidas procure um profissional capacitado para atendê-los integralmente. As informações neste site pretendem apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança.

Beijos,
Dra. Priscila K. Matsuoka | Ginecologia e Obstetrícia | CRM 133872
Sem conflitos de interesse a declarar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *